Máscaras africanas

A máscara na África negra
Na África, o artífice, antes de começar a esculpir uma máscara, passa por um processo de purificação, com reza aos espíritos ancestrais e às forças divinas. Tal prática faria com que a força divina fosse transferida para a máscara durante o processo de manufatura.
Se no passado era prática generalizada, o uso de máscaras rituais teve um enorme declínio nas últimas décadas. Entretanto, a manufatura e o emprego deste objetos continua sendo um aspecto fundamental na identidade de vários grupos étnicos africanos. Por isso, já existem pessoas que trabalham pela preservação deste hábito milenar.
A máscaras são empregadas, basicamente, em eventos sociais e religiosos. Além de representarem os espíritos ancestrais, em alguns casos objetivam o controle de forças espirituais das comunidades para um determinado fim, sejam estas forças benéficas ou malignas.
A matéria prima utilizada na elaboração das máscaras é diversificada. Entretanto, é a madeira a matéria prima mais comum. Isso porque os artífices acreditam que as árvores possuem uma alma, um espírito. A madeira seria interpretada como um receptáculo espiritual, sendo que parte dessa essência animista é transferida para a máscara, conferindo ao seu portador alguma espécie de poder. Na visão de muitos antropólogos, se trataria de um conjunto de forças invisíveis que atuam diretamente no controle social.(fonte:http://www.caminhosancestrais.com.br)

mascara1
mascara3
mascara4

Anúncios

Rubem Valentim-Cultura afro-brasileira

Rubem Valentim é considerado um dos maiores artistas representantes da cultura afro-brasileira, escultor, pintor, gravador e professor. Nascido na cidade de Salvador, Bahia, autodidata, mostrou desde o início de seus trabalhos um forte foco nas tradições populares nordestinas, inspiradas pelas cerâmicas e outras artes do Recôncavo Baiano.A partir da década de 50, recebe influências das religiões de base africana, como o candomblé e a umbanda, e faz referência ao simbólico através de suas formas geométricas, muitas vezes presentes em signos e emblemas destas religiões. Valentim alia a geometria ao uso de cores de forma criativa, intensas e diversas.No final dos anos 60 realiza murais, relevos e grandes esculturas em madeira, mantendo a linha geométrica mestra. Rubem, nascido em Salvador no ano de 1922, veio a falecer em São Paulo em1991.

texto adaptado dos sites:http://pt. wikipedia.org e http://betomelodia.blogspot.com

r.valentim
Rubem_Valentim
r.valentim2

Debret

Jean-Baptiste Debret ou Debret (Paris, 18 de abril de 1768 — Paris, 28 de junho de 1848) foi um pintor e desenhista francês. Integrou a Missão Artística Francesa (1816), que fundou, no Rio de Janeiro, uma academia de Artes e Ofícios, mais tarde Academia Imperial de Belas Artes, onde lecionou pintura.

De volta à França (1831) publicou Viagem Pitoresca e Histórica ao Brasil (1834-1839), documentando aspectos da natureza, do homem e da sociedade brasileira no início do século XIX.(fonte:Wikipédia)

Observe as seguintes obras e reflita, posteriormente faremos um trabalho escrito com base nestas imagens.

Negra_vendendo_caju_-_Jean_Baptiste_Debret_1827
024debret
Debret,uma senhora brasileira em seu lar-1823
Debret15a
Debretberimbau
Otronco
Pelourinho

Iago e Vinícius (turma 302 EM)

É difícil acertar de primeira, né? Mais fotos, mais possibilidades…
P7060142

Luciano e Wilson (turma 302EM)

Vejam a foto que escolhi, é a melhor da dupla mas se treinarem bastante poderão ter muitas e muitas outras.
Imagem 002

Ione, Lovaine, Marta e Nandrea (turma 302EM)

Embora não tenham fotografado muito, procuraram contemplar o tema proposto, mas não tiveram muito sucesso com as cores, esta foto, mais simétrica foi a que ficou melhor, concordam meninas?
cartao 020

Luíse e Thaís (turma 301EM)

Fotos, fotos e mais fotos, foram muitas as tentativas, de todas a que considerei a melhor é esta da rosa que une cor e beleza. Um abraço para a Monique que agora está estudando no turno da noite mas havia fotografado junto com a Thaís e a Luíse, valeu!

DSC01715

Entradas Mais Antigas Anteriores